24 de setembro de 2010

Se


Ele bem que tenta…
Fica horas a fustigar a pobre cabeça, esfaqueando-a com inúmeros pensamentos. Ele fustiga-a todos os dias, como se até fosse fácil. Mas não o é! De todo! Pois ele também é esfaqueado. Esfaqueado pela dor e a tormenta que nunca o deixam em paz. Ele, cobarde como é, nada faz.
Por vezes ele, feito parvo, pensa que arranja a solução. Mas depressa a solução esfuma-se por entre os aguçados dedos do desespero que volta a reclamar o que era seu, ele. Ele, todos os dias, desiste e resigna-se à realidade. À cruel, difícil, e, acima de tudo, injusta realidade. Nada há mais a fazer, ou a dizer sobre ele.
Pois isto até teria a sua piada, se eu não fosse ele.

8 comentários:

  1. Lembras-te de me dizeres que não sei o que dos burros? Que nao percebiam os textos?
    Hoje vou ser igual: que se anda passando?

    Deixaste-me deveras preocupada. E o texto tá forte. Muito forte **

    ResponderEliminar
  2. Oh rapaz, andas desanimado :o
    Anima-te :x
    e essa fotografia está bonita !
    prá semana é melhor ;)

    ResponderEliminar
  3. Sou que nem você: um varal de pensamentos.
    é difícil interpretá-los, algumas vezes. mas é uma tarefa angustiantemente boa de se fazer ^^

    ah, obrigada :)

    ResponderEliminar
  4. Não tens nada que agradecer!
    As soluções encontram-se nem que sejam temporárias, até aparecer uma melhor

    ResponderEliminar