11 de fevereiro de 2011

Rabiscos Mentirosos


Ela, eufórica, sorri quando o vê – de barba rala, de verdes olhos confusos e brilhantes, de farda verde-escura gasta, de feridas profundas na cara e nos braços sujos – a desembarcar do grande navio que trazia os tristonhos ansiosos retornados da avassaladora guerra.
Ela, sem saber o que fazia, corre na direcção dele e abraça-o com todas as suas forças. A angústia de meses explode num soluço e rapidamente desaparece, dando lugar à alegria de o ver. Aperta-o contra o seu volumoso peito e sente o seu amedrontado coração a bombear rapidamente o sangue por todo aquele corpo lesado.
Ela, a chorar, agarra na cara dele e, de olhos pregados nele diz:
-Philip, come back. Come back to me… - e soluça novamente…
O vazio volta e uma pesada lágrima cai nos rabiscos escritos por ela. Os rabiscos que na verdade não passam senão de uma falhada forma de tornar o desejo em realidade. O desejo de o ver, de o sentir, de o amar…
Mas a cruel verdade da morte prematura e longínqua de Philip esmaga, todos os dias, o tosco coração dela, espeta-se-lhe na carne os aguçados punhais que não a deixam viver a mentira que os rabiscos lhe tentam contar. A mentira de o ter para si…

9 comentários:

  1. mas porque é que escreves tão bem? só digo isto: gostei muito, muito, muito

    ResponderEliminar
  2. Pois é!
    Escreves bem rapaz!
    Beijinho, Lua*

    ResponderEliminar
  3. já há buéééé que não punha aqui o rato ! :o
    e este está muito profundo xD

    ResponderEliminar
  4. Esta lindo, lindo, lindo *-*
    escreves tão bem :)

    ResponderEliminar
  5. Gostei...

    Aproveito para deixar o endereço do meu blog http://viagemsemretorno.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  6. Gostei muito :D
    E já agora, parabéns pelo 1ano . Continuo a seguir-te e gosto muito :$

    ResponderEliminar